A Manutenção da Casa Espírita


Todos sabem quão dificultoso é a manutenção de qualquer casa, por todas as necessidades que isso implica, seja de caráter físico ou espiritual. São percebidas as despesas com água, energia, limpeza, alimentação, bem como, uma devida manutenção periódica da estrutura do prédio. Para isso, requer de seus responsáveis uma condição financeira que venha a cobrir tais custos, e por ventura, possíveis reformas do espaço.

Porém, quando se trata de uma casa espírita, essas necessidades se ampliam, visto que em seu seio, muitas pessoas transitam em diversos dias, e usufruem de suas acomodações para a realização dos trabalhos imprescindíveis à divulgação do Espiritismo.
Para alguns companheiros de trabalho espírita, há sempre um constrangimento para a conquista de verbas que se destinem a tais despesas. Levando em consideração as orientações do lúcido mestre Allan Kardec, quando no capítulo XXIX de O Livros dos Médiuns, elaborou as diretrizes para a direção das futuras instituições espiritistas, dando-nos como modelo o estatuto da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.
“Em 1º de abril de 1.858, Kardec fundou a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, um ano depois da codificação da Doutrina Espírita e publicação do Livro dos Espíritos (18 de abril de 1857). Esta foi a primeira Casa Espírita oficialmente constituída. A Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas foi constituída com o objetivo de promover estudos relativos às manifestações espíritas e suas consequências. Era uma Casa dedicada aos primeiros estudos científicos da Doutrina dos Espíritos.”

“O objetivo desse ensaio é justamente trazer à reflexão qual a melhor forma de fazer a Manutenção da Casa Espírita respeitando as diretrizes do Evangelho e da Doutrina dos Espíritos codificada por Allan Kardec: Fora da Caridade não há salvação. Deixamos bem claro que este trabalho é mero exercício de reflexão e que somos simples Aprendizes do Evangelho.”  Assim inicia o livro A MANUTENÇÃO DA CASA ESPÍRITA, do bacharel e licenciado em Letras Português/Francês pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humana e pela Faculdade de Educação da USP,  Rodrigo Félix da Cruz.

 Lembra ainda que “Outro ponto importante é o tipo de público frequentador da Casa Espírita. No Século XIX, em sua maioria, os frequentadores eram intelectuais que buscavam observar e estudar os fenômenos espíritas. Estes eram oriundos da nobreza e burguesia e por isso tinham condições financeiras de fazerem a Manutenção da Casa Espírita por meio de contribuições mensais.”

Precisamos considerar tais diferenças e adequar o estatuto de Kardec aos dias atuais, ponderando a nossa forma de administração à capacidade de nossa economia e das pessoas envolvidas nos trabalhos da casa.

Rodrigo Félix ainda diz que “Existe uma respeitável corrente de intelectuais espíritas que defendem o retorno da mensalidade para a Manutenção da Casa Espírita defendendo a tese de que somente podemos dar de graça o que de graça recebemos. Impostos, conta de água, conta de luz, conta de telefone, materiais de limpeza, materiais de higiene e insumos administrativos não são obtidos de graça, e por isso não é possível fornecê-los também de graça. Nessa tese seria desonesto e insensível querer receber de graça de uma instituição aquilo que é oneroso para esta. Os adeptos dessa corrente apontam que houve erro na implantação do Espiritismo no Brasil que adotou o modelo assistencialista católico. Também defendem a ideia de que é melhor cobrar uma mensalidade do que promover eventos muitas vezes contrários à Doutrina Espírita como jogos, bailes extravagantes e venda de bebidas alcoólicas.”

Ressaltamos a importância da Administração da Casa Espírita feita de forma democrática e capacitadora mediante eleições periódicas, formação de equipes trabalho, revezamento de atividades e de valorização de todos os envolvidos.

O membro que tem a possibilidade e interesse em se envolver mais nas atividades da Casa Espírita pode se associar voluntariamente assumindo uma mensalidade fixa para o custeio das despesas fixas da Casa Espírita tais como água, luz, telefone, impostos, etc.

O membro iniciante ou que não tem condições de contribuir mensalmente nem por isso deixará de ajudar, pois será convidado a participar de campanhas de doação, festas e eventos que custearão, por exemplo, a assistência social, ampliações de espaço e a implantação de novos trabalhos, etc. Tudo em conformidade com os princípios Evangélicos e da Doutrina Espírita.

Nesta vida ninguém e totalmente rico que não possa receber ajuda e ninguém é totalmente pobre que não possa ajudar com algo.

A responsabilidade da Manutenção da Casa Espírita cabe a todos nós.







Um comentário:

  1. Deixe o seu comentário, a sua sugestão, ou mesmo a sua crítica sobre o nosso trabalho.

    Agradecemos por sua participação!

    ResponderExcluir

Seu comentário é sempre bem vindo!
Comente, opine, se expresse. Este espaço é seu!

Se quiser fazer contato por email utilize o irmaos.docaminho@hotmail.com

Espero que tenha gostado do blog e que volte sempre! Muita paz!

Ocorreu um erro neste gadget

Estamos aqui!